Número total de visualizações de página

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Madrugadas

 

Madrugadas

Quisera eu apagar em mim a chama,
que em meu sangue se imiscui, e que me inflama,
e não querer pensar mais que tu existes…
Mas não consigo, pois meus olhos ficam tristes,

E assim me invade o calor doce da paixão,
enquanto a vida vai passando, e já não volta,
cada segundo que passou sem ilusão,
é um presente que nos entra pela porta.

Resta-me então bradar aos céus até ser dia,
por esta linda e viva luz que me alumia,
e que se sinta no meu peito essa razão,
do alivio do contacto do perdão.

Talvez pra ti possam ser águas já passadas,
mas para mim, sozinho nestas madrugadas,
sinto a presença desse amor que me domina,

e no barulho do silêncio que me assola,
só essa linda Luz que me ilumina,
e o nascer de um novo dia; me consola…

José Dimas
2011

2 comentários:

  1. Caro Brafma,
    è com grande prazer que volto a ler-te pela madrugada fora,... e assim me invade o calor da doce paixão...sublime.
    Sinto-me transportada para outra dimensão, onde as madrugadas se misturam com as Atalaias e as Alcaidessas recuscitam para o enlace com o seu belo guerreiro Brafma.

    bjs

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do teu cantinho!!!
    Quando poderes faz uma visita lá no meu estaminé...um beijo:))

    ResponderEliminar