Número total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Alentejo, a terra e o pão

                                                   
   Alentejo, a terra, e o pão,

 

De cor escura, e pele queimada,
pisando em terra lavrada,
a passo enterrava a vida,
essa vida abençoada.

Assim era antigamente,
em tempos que já lá vão,
rasgava-se a terra à Besta,
e semeava-se o trigo à mão.

O sol abrasava os corpos,
dos homens nos seus labores,
entoando lindas modas,
cantadas aos seus Amores.

Esqueciam sua tristeza,
e esse fado que era a vida,
trabalho de sol a sol,
em troca de meia espiga.

Com parcos  recursos, poucos,
estava a terra semeada,
e era só colher o trigo,
voltava a ficar lavrada.

Agora não se vê disso,
não se vê mar de trigais,
os campos não estão doirados,
só se avistam olivais.

Já se emprega pouca gente,
máquinas, cada vez mais,
e o trigo que se produz,
já não dá pra três pardais.

E a terra do Alentejo,
do trigo de antigamente,
é um enorme pousio,
já não produz pão pra gente.

José Dimas
2011

2 comentários:

  1. Um «retrato» actualizado da nossa «Planície Heróica» - já nos nossos Favoritos. Gostaríamos que aderisse ao nosso Grupo: «O Alentejo não tem fim» no Facebook e partilhasse connosco estes seus belos Poemas. Obrigado
    O Alentejo não tem fim!

    ResponderEliminar
  2. Parabéns, Poeta! Consegues relatar essa dura realidade com muita suavidade e beleza.
    Beijos

    ResponderEliminar