Número total de visualizações de página

domingo, 30 de janeiro de 2011

Nevoeiro


Nevoeiro

Denso, húmido, branco, leve, agarrado à terra!
Parece sorver as oliveiras,
enquanto que, com os seus dedos, lhes penteia as folhas,
                                                  saciando-lhes a sede.
As azeitonas, negras, por cima da capa de névoa,
                            reflectem o brilho do nascer do dia,
espelhando-se no violeta do Céu, e no rosa
                                                                das nuvens.
Sobressaindo das brumas, as copas das árvores,
                                      dançam a suave brisa matinal,
convidando os tordos a degustar um pouco de si,
                            como as meretrizes vendem o corpo,
                                                               exibindo-se;
no seu brilho, na sua essência, semi-nuas,
                                                  vestidas de nevoeiro,  
                                                   despidas de pudor…
São assim. Insinuantes e selvagens, as oliveiras,
                                 detrás do quintal da minha casa,
                                                   são como os tordos,
mais este nevoeiro que me sorveu.

José Dimas
2011

Sem comentários:

Enviar um comentário