Número total de visualizações de página

domingo, 9 de janeiro de 2011

Mar do meu Alentejo

Mar do meu Alentejo

O mar do meu Alentejo
são searas e Cardais,
as espigas são as vagas,
e as gaivotas os pardais.

Quando o vento sopra forte
cheira a mel e cheira a serra,
quando o céu chora no verão,
transpira de amor a terra.

Cheira a feno e cheira a chuva,
é o cheiro da maresia,
do mar do meu Alentejo,
que entontece e inebria,

Em noites de lua cheia,
o pasto coberto de gelo,
parece que é maré baixa,
e este mar é mais um espelho.

Espelha o brilho do luar,
que dispersa nevoeiros,
espelha as estrelas a cantar,
encantando marinheiros.

E este mar a que eu pertenço,
e onde me banho nos cheiros,
é um mar de sonhos meus,
que para mim são verdadeiros.

José Dimas
2011

1 comentário:

  1. Olá,
    Não escreves um poema...!
    pintas uma aguarela onde os meus olhos se deleitam...
    Obrigado por esta maravilhosa tela de imagens, cores e, sensações que nos dás gratuitamente.
    Bjs

    ResponderEliminar